... eu escrevo, eu me mostro, eu me escondo... São inúmeras possibilidades, apenas uma de mim. Quem sabe no que vai dar?

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Tempo que se foi...


Tranquilidade.
Coisa que quase não tenho.
Que saudade do tempo em que eu me sentava, na hora do recreio, debaixo de uma árvore, e aprendia a assobiar com os pássaros.

sábado, 9 de maio de 2009

Ao som de Bob Dylan

Procure, com muita atenção, os sinais. Eles estão lá, bem à nossa frente. Mas você tem que saber com que olhos vai vê-los. Acontece sempre quando mais precisamos. Com que olhos você vai vê-los? A vida nos apresenta um caminho. Nós escolhemos a porta pela qual vamos passar para segui-lo. Nós escolhemos as ferramentas que vamos levar ao longo da viagem e nós decidimos qual bagagem vamos continuar carregando por todo o trajeto e o que vamos deixar pra trás, o que não tem tanta importância e tem um peso insuportável.

Os sinais nos ajudam a decidir. São pequenas pistas sendo decifradas a todo momento. Rostos nas nuvens, cheiro de flores onde não há flores, calafrios, imagens na neblina, sonhos. Não esqueça de prestar muita atenção, é a sua vida que vai passando bem diante dos seus olhos. A borra do chá ou do café. Vai me dizer, do fundo da sua alma e com total certeza, que tudo isso é besteira? Você é quem sabe... afinal, quem sou eu para saber de alguma coisa? E quem é você pra saber? “A complete unknown like a rolling stone.”

Não somos nada senão grãos infinitamente minúsculos diante da grandiosidade da existência. Somos ridículos. Quase não existimos. Mas estamos aqui e fazemos parte do todo e não podemos dar as costas para o resto. Não se supervalorize. Aceite sua participação e seja completo. O todo fica incompleto sem você. Pegue apenas o que é seu e faça parte de tudo. Deixe o que é dos outros. Carregue apenas o seu fardo, que já é pesado demais, e não se preocupe. O mundo não vai acabar por que você não tomou conta da vida de todo mundo. Vai ser por outro motivo.